Descoberta excepcional em Jerusalém confirma textos bíblicos, Salém é Jerusalém.

Foi inaugurado o Museu do Ofel e parte das primeiras muralhas existentes em Jerusalém no período da história mais conhecido até os dias de hoje, e com ela mais uma descoberta espetacular.

O local, descoberto por Dra. Eilat Mazar, da Universidade Hebraica de Jerusalém e foi inaugurado para o público pelo diretor de conservação da Autoridade de Antiguidades de Israel, aberto ao público, graças à generosidade das doações de Daniel Mintz e Berkman Meredith

No dia de 21/06/2011, foi inaugurado em uma cerimônia em Jerusalém arqueológicos nas proximidades do Muro Ocidental(Muro das Lamentações), um site chamado de "paredes do Ofel" e revelado o registro(documento) mais antigo descoberto até o momento em Jerusalém.

O local aberto é parte do parque nacional em torno das muralhas de Jerusalém, e exibe o certificado no Davidson Center, e foi possível graças à generosidade de Daniel Mintz e Berkman Meredith dos EUA.

A cerimônia contou com a presença do prefeito Nir Barkat, muitas outras autoridades da cidade e com a presença da Dra. Eilat Mazar, do Instituto de Arqueologia da Universidade Hebraica, e com os contribuintes Daniel Mintz Meredith e Berkman e suas famílias.

No final dos trabalhos de escavação os visitantes podem tocar o caminho aberto de pedras e paredes cuja construção vai contar a história de Jerusalém através das eras. Agora é possível caminhar confortavelmente através da construção, em locais que ainda não haviam sido abertos ao público, de forma impressionante e aprender com os sinais que demonstram a diferente história da região.

No início de 2010 concluiu a arqueóloga Dra. Eilat Mazar, do Instituto de Arqueologia da Universidade Hebraica de Jerusalém, a exposição do sistema de fortificações em Jerusalém. Em seguida, começou imediatamente no local, um trabalho de conservação e preparação do lugar para visitas. Essas obras de conservação foram conduzidas pelo diretor de conservação do IAA, e durou cerca de um ano e meio.

O local exibe um conjunto de estruturas expostas ao longo da linha das fortificações do Primeiro Templo (X século antes de Cristo). Entre outras coisas foi expostas a uma impressionante estrutura que é identificada como um portal, uma estrutura de estado, uma seção da torre e muralha da cidade em si. Dra. Mazar sugere identificar os prédios como parte de uma fortificação construída pelo rei Salomão, em Jerusalém: a Casa e a Casa do Senhor, e o muro em redor de Jerusalém". (I Reis 1) Além das fortificações do Primeiro Templo também foram descobertas outras seções de muralhas e torres da cidade bizantina e duas torres. Este muro foi construído pelo Império Bizantino, no século V DC.

Além do sistema de fortificação também completou um quarto do período do Segundo Templo (século primeiro), preservando dois andares do edifício.

O destaque da escavação é a exposição completa da estrutura de porta. O plano deste é de um impressionante edifício que dispõe de quatro salas do mesmo tamanho, dispostos em cada lado de um amplo corredor com piso de pedra calcária. O plano é do período primeiro Templo, um portal VI A.C, como os portões do tempo que foram descobertos em Megido, Beer Sheva e Ashdod.

Mazar identifica o portal com "portal das águaa" que é mencionado na Bíblia: "Ora, os netinins habitavam em Ofel, até defronte da porta das águas, para o oriente, e até a torre que se projeta." Neemias 3:26. Ao leste da porta vê-se o piso térreo de um edifício destruído em um incêndio poderoso. .. Mazar sugere que esta estrutura foi destruída pelos babilônios durante a conquista em 586 AC no chão do edifício foram descobertos dez vasos de barro muito grande (pithoi), que parecem ser utilizados para conter óleo ou vinho em um destes jarros de cerâmica que sobreviveram encontrou-se a inscrição em hebraico: "Ministro das Hof..." O endereço indica que o objeto pertencia a um dos ministros do reino. Provavelmente Sar Haofim, ou seja, Ministro dos Padeiros(Copeiros).

Durante a escavação se revelou o registro mais antigo descoberto até o momento em Jerusalém. Este achado é único, excepcional em sua importância para a história da cidade, a partir de agora estará em exposição permanente no Centro de Arqueologia Davidson e estará aberto ao público. Este é um pedaço de tábua que é argila e contém minúsculos cuneiformes acadianos no inscrição, é uma língua internacional da época. Entre a alta habilidade palavras escritas pode ser lido: "Você estiveste", "após", "eles". A placa escrita é típica das que foram utilizadas na antiga Mesopotâmia como correspondência internacional.

Após uma verificação pode-se notar que o material da placa é típico da região de Jerusalém. Parece ser uma cópia de uma carta do rei de Jerusalém da época(Eved Haba), ao rei do Egito. Uma cópia desta carta era preservada como o arquivo da cidade bíblica de Salém, que era a Jerusalém daquela época. A parte da placa encontrada é uma prova confiável do status de Jerusalém como um reino importante em Canaã sendo uma cidade-estado sob proteção do reino do Egito faraônico.