17 de Maio de 2015 – Dia de Jerusalem – Yom Yerushlayim – יום ירושלים

Top Banner eTeacher

Este é sem dúvida alguma um dos dias mais festivos da Cidade Santa, o dia em que se comemora a re-unificação da Cidade Santa após 2.000 anos de exílio judaico, um dia repleto de comemorações, festividades e um grande desfile de bandeiras pelas ruas da cidade mais santa do Mundo para o Povo de Israel.

O Dia de Jerusalém ( em hebraico : יום ירושלים, Yom Yerushalayim) é um feriado nacional israelense que comemora a reunificação de Jerusalém e o estabelecimento do controle israelense sobre a Cidade Velha em junho de 1967. O Rabinato Chefe de Israel declarou em Jerusalém Dia de feriado religioso, a fim de agradecer a Deus pela vitória na Guerra dos Seis Dias e pela resposta da oração feita por 2.000 anos de "ano que vem em Jerusalém".

Os alunos das escolas em todo o país aprendem sobre o significado de Jerusalém, e as escolas em Jerusalém realizam festivais. O dia é marcado também nas escolas judaicas de todo o mundo.

No Plano de Partilha da ONU em 1947, que propunha a criação de dois estados na Palestina um estado judeu e um árabe, Jerusalém seria uma cidade Internacional; nem árabes nem judeus teriam exclusividade por um período de dez anos, em um referendo que determinaria aos residentes de Jerusalém em qual país eles queriam aderir. A liderança judaica aceitou o plano, incluindo a internacionalização de Jerusalém, mas os árabes o rejeitaram.

Assim que Israel declarou sua independência em 1948, foi atacado em massa por seus vizinhos árabes. A Jordânia tomou o leste de Jerusalém e a Cidade Velha. Os israelenses fizeram um esforço para desalojá-los, mas não tiveram sucesso. Até o final de 1948 na Guerra árabe-israelense, Jerusalém ficou dividida entre Israel e a Jordânia. A cidade velha e Jerusalém Oriental continuaram ocupadas pela Jordânia, os habitantes judeus foram expulsos da cidade e suas sinagogas queimadas.

Sob o controle jordaniano, metade da Cidade Velha a cinquenta e oito sinagogas foram demolidas e o cemitério judeu no Monte das Oliveiras foi saqueado em seus túmulos, que foram usados como paralelepípedos e materiais de construção.

Esta situação mudou em 1967 como resultado da Guerra dos Seis Dias. Antes do início da guerra, Israel enviou uma mensagem ao rei Hussein, da Jordânia, dizendo que Israel não iria atacar Jerusalém, na Cisjordânia, enquanto a frente da Jordânia ficasse quieta. Devido a pressão egípcia e com base em relatórios de inteligência enganosa, O Rei da Jordânia começou atacar os civis em Israel, que respondeu em 06 de junho, abrindo a Frente Oriental. No dia seguinte, 7 de junho de 1967 (28 Iyar 5727), Israel conquistouy a Cidade Velha de Jerusalém.

Mais tarde naquele dia, o ministro da Defesa Moshe Dayan declarou o que é frequentemente citado durante o Yom Yerushalayim: Esta manhã, as Forças de Defesa de Israel libertaram Jerusalém. Temos Jerusalém unida, a capital dividida de Israel. Voltamos para o mais santo dos nossos lugares santos, para nunca mais reparti-la novamente. Para os nossos vizinhos árabes, que abrangem esta terra, também, esta hora é a hora de enfatizar o nosso lado em paz. Para os cristãos e os cidadãos muçulmanos desejamos o companheirismo, garantimos a plena liberdade religiosa e de direitos. Nós não viemos a Jerusalém por causa dos outros lugares santos, e não vamos interferir com os adeptos de outras religiões, mas para salvaguardar os seus elementos, e viver lá junto com os outros, na unidade.

A guerra terminou com um cessar-fogo em 11 de junho de 1967. Em 12 de maio de 1968, o governo proclamou um novo feriado, o Dia de Jerusalém, a ser comemorado no dia 28 de Iyar, a data hebraica na qual a cidade dividida de Jerusalém se tornou uma. Em 23 de março de 1998, o Knesset (Parlamento Israelense) aprovou a Lei do Dia de Jerusalém, tornando o dia um feriado nacional.
Um dos temas do Dia de Jerusalém, com base em um versículo do Livro dos Salmos, é "Ke'ir shechubra yachdav la" - "Como uma cidade ligada e unificada" ( Salmo 122:3).

Jerusalém é a cidade mais famosa do mundo e venerada por quase todas as religiões como um lugar santo. Sua relação com o povo judeu ultrapassa três milênios.
Os árabes dizem que foi nela em que Maomé subiu ao céu em uma visão. Maomé nunca esteve ali, o nome de Jerusalém nem mesmo aparece no Al-Corão. Nem mesmo um nome parecido.
Até os dias de hoje, a parte oriental de Jerusalém é chamada pelos muçulmanos de Al-kuds. Diante de tão grande disparate na fé muçulmana ainda é incompreensível a "ira" árabe por judeus dominarem Jerusalém. Fica mais do que claro que forças satânicas estão por detrás deste ódio, assim como do ódio aos judeus de uma forma geral.

Jerusalém é citada na Bíblia 736 vezes, no Al-Corão, NENHUMA.

Sião, outro nome da cidade, mais especificamente o nome do monte onde ficava a fortaleza dos Jebuseus, aparece 162 vezes, no Al-Corão NENHUMA.

Moriah, o monte do templo é citado 2 vezes, uma delas na construção do templo e a outra no sacrifício de Isaque. No Al-Corão NENHUMA.

Portanto, nenhum direito há para nações alheias reivindicar Jerusalém das mãos de Israel, pois as promessas de Deus a Abraão, Isaque, Jacó e Moisés são simplesmente eternas.

Se você deseja fazer um passeio turistico em Jerusalém, escolha um período que inclui esta data, participar da passeata de Jerusalém com os milhares de juvens judeus com suas bandeiras e seus cânticos de vitória será simplesmente emocionante.

Com certeza será uma experiência incrível e marcante.

Viva Jerusalém!

Banner Camisetas Cafetorah
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *