A relação entre Jair Bolsonaro, o Jairo da Bíblia, Donald Trump e a esperança de uma Brasil melhor ao lado do Estado de Israel

Banner CD Desperta, Thais Schucman

Sem dúvida alguma, um homem que há alguns anos era considerado alguém a margem, dentro do Congresso Nacional em Brasília, ele saiu do quase anonimato, com um discurso duro contra a destruição da célula familiar, contra a corrupção, contra a bandidagem e a violência desenfreada. Jair Bolsonaro, cujo nome em Hebraico é Yair, ou seja, aquele que brilhará, parece ter trilhado o caminho do Rei, conforme se diz em Hebraico, para aqueles que escolhem o caminho certo.

O mesmo nome Jair, ou Yair em Hebraico é conhecido no Novo Testamento como Jairo, onde ele era o chefe da Sinagoga de Cafarnaum, que acabou se rendendo ao único que poderia salvar sua filha. Yeshua de Nazaré, se faz presente e ressuscitou aquela que era de mais precioso para ele, sua filha. Jair Bolsonaro apelou para Yeshua dois mil anos depois, a favor daquilo que era de mais precioso, sua nação, seu Brasil estava em coma, ele abraçou a fé, reconheceu que Yeshua é seu Senhor. Jair se batizou no Jordão, andou por quase todo Israel, vendo e conhecendo as maravilhas que o Eterno faz nesta Terra Santa mesmo depois de 2000 anos.

Parece até que estou forçando uma co-relação, mas não estou não, Jairo(Yair), era o chefe da Sinagoga; Jair Bolsonaro, era o candidato a Chefe de Estado, ambos foram em busca do único que poderia reverter uma situação trágica, a morte de uma menina e a morte de uma nação cristã. O Brasil estava sucumbindo diante da doença do falso socialismo, os valores da família estavam sendo sitiados e as aberrações estavam sendo apregoadas como naturais. O que estava ocorrendo era um verdadeiro ataque mortal a sociedade brasileira. Para reverter a situação, era necessário fazer o caminho rumo a Aquele que é o Único capaz de entender-nos quando estamos em aflição.

O Jairo da Bíblia teve que se despir de sua posição privilegiada como líder da Sinagoga de Cafarnaum; o Jair Bolsonaro teve que voar mais de 10.000 quilômetros em busca do mesmo Yeshua, na Terra de Israel, como a 2000 anos atrás sabendo que somente lá poderia ter uma resposta definitiva. Quando Jair Bolsonaro assumiu sua posição ao lado do Povo e do Estado de Israel, ele estava declarando que sua herança não era terrena, mas sim, espiritual. Não vou transformar Jair Bolsonaro em nenhum pastor ou santo de igreja católica sem pecados, mas em alguém que assumiu um importante papel para a redenção do Brasil, mesmo sabendo que poderia sofrer graves consequências e sofreu, o atentado provou isso.

Outra "coincidência" incrível entre dois líderes está no nome: o brasileiro  Jair Messias Bolsonaro, ou seja, seu nome do meio se refere a Jesus(Yeshua) e o americano  Donal John Trump, seu nome do meio é o mesmo daquele que preparou o caminho para o Messias Yeshua, John é João, exatamente como João Batista, e este precedeu o Messias. Trump também precedeu Bolsonaro, isto é pelo menos, no mínimo, algo muito curioso.

Adonai levantou líderes que não praticavam a Torah, conforme o Povo de Israel para realizar seus propósitos e até mesmo julgar o seu povo e a outros, que o afrontaram, ELE os abateu. Ele é o verdadeiro governante do Mundo, de Israel e do Brasil. Homens pagãos foram usados para levar o povo ao cativeiro, para trazê-los de volta, para re-construir o templo, para preparar o caminho para o Mashiach Yeshua. Agora vemos claramente, assim como Donald Trump, Jair Bolsonaro foi capaz de dar um passo de fé, rumo a missão que Adonai o preparou, mas a jornada não termina aqui, ela está somente começando. Há muito que deve ser reparado, a justiça deve ser aplicada nos padrões bíblicos, com severidade e energia, mas acima de tudo com sabedoria.

Adonai não os abandonará após as eleições, Yeshua governará de fato e Jair Bolsonaro será apenas seu porta-voz, junto com outros 58 milhões de Brasileiros.

Força e Valentia(Hazak ve'Ematz) Brasil, Força e Valentia Jair Bolsonaro, Adonai está com vocês.

Brasil acima de tudo, e Deus Acima de Todos!

Desde Sião, Miguel Nicolaevsky

Diretor do Cafetorah.com