Benjamin Netanyahu estreita relações diplomáticas com países do Golfo Pérsico

Banner CD Desperta, Thais Schucman

Golfo Pérsico - Na semana passada o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu fez uma visita histórica ao primeiro país muçulmano localizado no Golfo Pérsico, Omã. Esta visita por si só já foi muito incomum, mas ele prometeu mais.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, declarou na semana passada que Omã foi o primeiro país árabe que visitou oficialmente fora aqueles com quem Israel tem tratados de paz, mas que "haverá outras" essas visitas.

Em uma entrevista com os repórteres, Netanyahu disse que sua reunião com Sultan Qaboos bin Said Al Said na semana passada tratava de uma série de questões, incluindo o tráfego aéreo sobre Oman de e para Israel, água e uma possível rede ferroviária de Mascate a Haifa, quem sabe futuramente poderemos fazer o trajeto Israel - Golfo Pérsico, seria verdadeiramente um sonho.

O primeiro-ministro, de acordo com um funcionário diplomático sênior, é um defensor de pequenos passos, graduais levando a normalização das relações com o mundo árabe, a fim de acostumar o público com a idéia. O funcionário disse que Omã não se ofereceu para mediar entre Israel e os palestinos, e está aguardando o plano de paz dos EUA ser divulgado ao Mundo.

Netanyahu esteve em Omã por cerca de 12 horas de quinta à noite até a manhã de sexta-feira, oito delas foram com com o líder de Omã. Os dois falaram inglês juntos e discutiram uma ampla gama de questões. Eles compartilharam um jantar de peixe, foram entretidos por música clássica árabe e européia, e desfrutaram de sorvete feito sem ovos.

Funcionários diplomáticos disse que os preparativos para a visita Oman já estavam acontecendo há cerca de 18 meses, e que Netanyahu se reuniu com antecedência em um local secreto com o ministro das Relações Exteriores de Omã. Ele também falou ao telefone com Qaboos antes da reunião.

Segundo a imprensa israelense, Benjamin Netanyahu deverá visitar nesta próxima semana mais um país do Golfo Pérsico, as barreiras e boicotes diplomáticos estão caindo, e surge a possibilidade de um Oriente Médio mais pacífico e mais orientado para solucionar os problemas em comum. Netanyahu tem sido extremamente capacitado em atrair novas parcerias e tudo indica que a situação só tende a melhorar, somente os palestinos ainda não entenderam que é melhor negociar do que atirar.

Foto acima: Moscat, Omã, Golfo Pérsico, PixaBay

Banner CD Desperta, Thais Schucman