Gamla – Programa Odisséia Judaica

A Reserva Natural Gamla está localizada nas Colinas de Golan, bem em frente a parte norte do Mar da Galiléia, na região norte de Israel.

O Parque Nacional e a Reserva Natural de Gamla foram uma maravilhosa combinação de paisagem, natureza e de ruínas históricas de um passado distante. Ela preserva uma concentração única em uma escala global de aves de rapina, algumas raras, em uma pequena área, por outro lado a estrutura arquitetônica do mundo judaico e a sinagoga mais antiga conhecida até o presente.

As águias sobrevoam na parte da manhã e ao cair da tarde, quando elas retornam para seus ninhos, pairando acima das cabeças dos visitantes na Reserva Natural.

Há uma posição panorâmica especial sobre a borda do penhasco de onde se pode assistir o vôo das águias gigantescas. O sistema de câmeras de observação foi adicionado para permitir que sejam gravados vídeos de monitoramento de ninhos em tempo real, e assistir o registro ao longo do ano. É possível levar grupos com coordenação para reserva. Há também a orientação ao público por uma guia local três vezes por dia.

Além do Mirante das Águias, na margem norte do rio Gamla, há um outro mirante, com vista para a cachoeira Gamla que forma um lindo véu de noivas, cujas águas caem de uma altura de 51 metros, esta é a cachoeira mais alta em Israel.

Além da cachoeira, existem na região agrupamentos de dolmens, que são estruturas construída basicamente de três grande pedras de basalto, utilizados como base em forma de lápide para os nômades que viviam no Golã á cerca de 4000 anos atrás, acredita-se que desta forma Abraão, Isaque e Jacó marcavam a direção dos seus caminhos migratórios.

A Reserva Natural de Gamla está bem marcada e sinalizada, algumas trilhas são para famílias e algumas para caminhantes experientes. Um dos caminho passa pelo canion e pela cachoeiras do rio Gamla, e sua estrutura de basalto, no norte o Riacho Jubileu. Os ribeiros de água correm durante todo o ano. O caminho atravessa o rio e é projetado de modo que a dá vista para as cachoeiras.

Ainda no parque nacional podem ser vistas as ruínas da antiga Gamla que estão no mirante abaixo. Pode-se descer por um caminho íngreme, que leva cerca de 20 minutos para baixo. Gamla estava prosperando como uma forte comunidade judaica no final do período do Segundo Templo. A cidade foi descrita em sua guerra contra os romanos, começando desde a Grande Revolta (ano 67 EC), a história da batalha é descrita em detalhes de forma dramática no livro "Guerra do Judeus Contra os Romanos", escrito por Flávio Josefo, que afirmou que os judeus de Gamla lutaram vigorosamente contra os romanos, e para não se entregarem, milhares deles se atiraram de cima dos penhascos para morrerem da queda ao invés de se tornarem escravos dos seus inimigos.

Em Gamla pode ser vista também as ruínas da igreja bizantina na aldeia de Deir Krukh, os restos da sinagoga do primeiro século, que operava antes da destruição do templo em Jerusalém, um aqueduto, uma piscina de imersão(mikveh), edifícios públicos, e muitas pedras de catapulta e pontas de flechas que testemunham a batalha cruel que ocorreu neste local, e muito mais.

Na reserva foi estabelecido também um memorial em homenagem aos residentes da área das Colinas de Golã, que caíram em batalhas nas guerras modernas de Israel desde a sua fundação em 1948. No memorial há um mirante panorâmico muito impressionante.

eTeacher Banner Central
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *