Mais uma cidade judaica do primeiro século está sendo revelada na Galiléia

Foto acima: Jim Haberman – As primeiras descobertas no local de mais cidade judaica do primeiro século está sendo revelada na Galiléia começaram ainda em 2013, mas nos últimos dias, segundo o NRG Maariv, um dos mais importantes veículos de comunicação em Israel, cerca de 2000 estudantes voluntários estão ajudando a limpar e a revelar mais detalhes do passado glorioso de uma cidade judaica que tinha uma vida vibrante entre os séculos I e VII da EC.

No local foi descoberto uma sinagoga magnífica que foi levantada ali a partir do período talmúdico (quarta a sexta séculos CE) e foi exposta em escavações realizadas Horvat Hokuk – um antigo assentamento judaico na Baixa Galiléia, perto de Kibbutz Hukok ao noroeste do Mar da Galiléia. O destaque da escavação é um piso de mosaico colorido de alta qualidade mostrando a figura de Sansão e dois pares de raposas com uma tocha amarrada à cauda, ​​como descrito no livro de Juízes. Há também a cabeça de mulheres no piso de mosaico e uma inscrição em hebraico que foi muito danificada, mas ainda é possível recuperar a bênção: “”…בכל מצותכן יהא עמלכן…שלום” ou seja, “em todos os seus mandamentos, seja o vosso trabalho … paz…”.

Foto acima: Autoridade de Antiguidades de Israel

A existência de uma antiga sinagoga Khirbat Hokuk foi conhecida a partir do testemunho de um rabino Ishtori Haparchi em seu livro “botão e flor” do século XIV, e as pesquisas arqueológicas que estão sendo realizadas na ruína. Nass pesquisas foram descobertos elementos decorados arquitectónicos típicos de sinagogas construídas na Galiléia durante o período talmúdico, mas apenas durante a escavação atual, sob a direção do Prof. Jodi Magness, da Universidade da Carolina do Norte, e que foi exposta parte da estrutura global da sinagoga magnífica composta de paredes de grandes pedras de cantaria e um piso de mosaico.

Segundo informações da Autoridade de Antiguidades do Estado de Israel, o local será limpo e preparado para que o público possa ter acesso a mais esta riqueza do passado.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *