Mais uma farsa Islâmica: Meca foi criada depois que Maomé morreu

Top Banner eTeacher

Sam Gerrans, o autor do artigo, o autor original do artigo sobre o livro Geografia do Alcorão, tenta de alguma forma amenizar as descobertas assustadoras do autor, Dan Gibson. Gibson que não tinha a intensão senão de estudas a cultura dos nabateus, fez descobertas que podem botar abaixo a segunda maior fé monoteísta do Mundo, o islamismo. Hoje, a localização Meca não bate até mesmo para os muçulmanos tradicionalistas que fazem a peregrinação por falta de correspondência com o lugar descrito no Alcorão.

Documentário de Dan Gibson explicando passo a passo as evidências, para entender, mude a legenda para português.

Dan Gibson é um historiador e especialista do Oriente Médio. Embora nem todos podem concordar com suas descobertas, mas há uma crença comum de que a verdade deve ser perseguida implacavelmente, e quando investigada as conclusões são assustadoras.

Ao contrário de Sam Gerrans, o autor do artigo, Gibson não aceita o Alcorão como uma revelação do Deus Vivo. Ele, como o orientalista, fala do Alcorão como algo que Maomé dirigiu e moldou (ou seja, escreveu). O Alcorão refuta essa posição, e Sam Gerrans também. Mas eu penso que Gibson está com toda a razão. Gibson também, na qualidade de historiador, atribui a literatura ḥadīth uma relevância que Sam Gerrans, como teólogo islâmico, nega. Mas, segundo Sam Gerrans, estes são assuntos de consciência e ênfase profissional e acadêmica.

No livro de Gibson, Geografia do Alcorão, ele examina em detalhes as tribos dos descendentes de Shem e daí de Abraão, abordando assim um desequilíbrio de longa data de ênfase em favor da linha de Isaque e para a quase completa exclusão da linha de Ismael. Ele coloca de forma convincente Maomé na Nabatea, em Petra - pelo menos durante alguma parte de sua missão - e cita evidências geográficas, arquitetônicas e do Alcorão, como evidências de tradições não-conônicas em apoio à sua tese.

Ele aponta para Petra e não para Meca como o lugar da origem da revelação e do centro de peregrinação a que as várias tribos faziam duas vezes por ano para se encontrar e, principalmente, enterrar e visitar seus mortos. Ele também afirma que o Alcorão (que, como mencionado, geralmente exibe uma escassez no lugar dos nomes) ensaia a história do chamado e Thamud com tanta frequência porque esses impérios eram locais para os árabes Nabataeanos e conhecidos por eles.

Sam Gerrans segue dizendo que aceita que Petra foi o lugar da peregrinação pan-regional. Onde Maomé viveu e cresceu e onde ele recebeu a maior parte de sua revelação - seja em Petra, ou mais abaixo da Península Arábica, conforme as várias teses aqui descritas - não posso dizer com certeza. Como um crente islâmico comum, é uma questão de interesse ardente. Como teólogo, não me islâmico interessa muito; Há outras preocupações mais urgentes.

A evidência que Dan Gibson apresenta é fascinante e bem argumentada, e Sam Gerrans sugere a leitura aos estudante interessados ao seu livro.

Sam Gerrans - Vou limitar minhas referências à Geografia do Alcorão a duas frentes. Em primeiro lugar, cito textualmente abaixo do trabalho de Gibson enquanto trata da direção das mesquitas primitivas, uma vez que essa evidência é empírica e - na minha opinião - irrefutável. Depois disso, cito algumas das outras descobertas do livro que apoiam a identificação de Petra como um lugar onde o profeta operou.

Todos os textos e fotografias na seção abaixo são da Geografia do Alcorão, de Dan Gibson (Independent Scholars Press) e são reproduzidos com a permissão gentil do autor para Sam Gerrans.

Mesquitas primitivas

622EC
A Mesquita de Quba, a pouca distância da Medina. A mesquita foi originalmente construída em torno de 622 DC, mas reformas e reconstruções subseqüentes mudaram tanto que não é possível examinar as bases originais e determinar a direção da qibla original.

622EC
A Mesquita do Profeta que mais tarde seria chamada de al-Madina al-Munawara. [...] Como a mesquita sofreu reformas tão extensas em várias ocasiões, é impossível distinguir o plano original e a direção original da oração.

626EC
Masjid al-Qiblatain. [...] Quando a antiga mesquita foi derrubada, as pedras fundamentais da mesquita anterior revelaram que o edifício original direcionava para o norte em direção a Petra e não para Meca, que estavam quase exatamente na mesma direção.

627EC
A Grande Mesquita de Cantão, conhecida também como Mesquita de Huaisheng (Memorial do Santo Profeta) ou a Mesquita de Guangta (Mesquita da Torre da Luz) é considerada a mais antiga mesquita sobrevivente da China. Esta mesquita tem 12 graus a norte de onde a qibla deve ser, o que significa que ela direciona diretamente a Petra e não para Meca. Por sua grande distância da Arábia, os muçulmanos locais sentem que está perto o suficiente para Meca.

641EC
A Mesquita de 'Amr ibn al-'As foi fundada pelo conquistador muçulmano do Egito no 641, depois de sua casa na cidade de Fusṭāṭ, fora do Cairo. Esta mesquita foi reconstruída e ampliada em 673 durante o reinado de Mu'āwiya, que é dito ter adicionado um minarete a cada um dos quatro cantos. Hoje, a mesquita não existe na sua forma original, tendo sido submetida a numerosas restaurações para que a base original não seja mais evidente. No entanto, o plano original da mesquita mostra que a qibla apontava muito mais para o norte e teve que ser corrigida mais tarde sob o governo de Qurra ibn Sharīk. (Creswell 1969, páginas 37,150) Curiosamente, isso concorda com a tradição islâmica posterior compilada por Aḥmad ibn al-Maqrizi que 'Amr ibn al-'As orou voltando para o leste, e não para o sul, (ou seja, na direção de Petra e não de Meca). (al-Maqrizi 1326 página 6; Crone-Cook 1977 páginas 24.173).

700 AD
O Palácio Umayyad (qaṣr) em Ḥumeima foi construído durante a era islâmica inicial por Alī, um neto de 'Abbās, um tio paterno do profeta Maomé. Teria incluído uma sala de oração ou o salão central teria sido usado para oração, portanto, o alinhamento de todo o edifício deveria ter sido de acordo com a qibla. O edifício está orientado para o nordeste. Meca não está nessa direção, nem Jerusalém, mas corresponde a Petra, que está apenas 27 milhas ao norte. Mais tarde, uma pequena mesquita exterior foi construída com uma qibla apontando para mais perto de Meca.

700 AD
A Grande Mesquita de Ba'albek no Líbano é uma mesquita dos Umayyad. Tem sofrido deterioração devido à umidade, sal e degradação estrutural. A última renovação foi conduzida com especial atenção aos restos arqueológicos, pois acredita-se que a mesquita tenha sido construída sobre várias estruturas antigas que datam da antiguidade. A argamassa de limão e os materiais tradicionais foram utilizados para preservar o caráter do edifício. Como você pode ver [...] a Mesquita Ba'albek (à direita das principais ruínas de Ba'albek) tem uma orientação mais próxima pata Petra do que para Meca.

710 AD
Os primeiros edifícios islâmicos na cidadela de Amã e Jordânia foram construídos em torno de 700 AD [...]. Até agora, não foi possível determinar absolutamente o tempo de construção desses prédios, mas eles foram construídos no início da regra dos Umayyadas. [...] o primeiro conjunto de edifícios apontou para o sul(na direção de Petra e não de Meca). Os edifícios posteriores foram construídos em torno de 740 AD (acima dos prédios anteriores) e demonstram claramente um novo foco e direção(para Meca). Os edifícios originais apontam para Petra, mas os edifícios mais novos (construídos cerca de 40 anos depois) apontavam para Meca. [...] durante o período entre essas duas construções, Abdallah ibn Zubayr destruiu completamente a Ka'ba(que provavelmente ficava em Petra) e reconstruiu-a, possivelmente em um novo local(em Meca).

86 AH 705 AD
A Grande Mesquita de San'ā está na capital do Iêmen. De acordo com as primeiras fontes, o Profeta Maomé comandou a construção desta mesquita, incluindo sua localização e dimensões, em algum momento em torno de 630 AD. Embora a validade desta alegação não tenha certeza, a mesquita continua sendo um dos primeiros projetos arquitetônicos no Islã. Algum tempo entre 705 e 715 AD, o Umayyad Caliph al-Walīd escreveu "Eu reconstruí e ampliei a mesquita". Como os exemplos anteriores, essa mesquita aponta para mais para Petra, mas, como está ao sul de Meca, pode-se argumentar que também aponta na direção geral de Meca [...].

O artigo do teólogo islâmico Sam Gerrans tenta tampar o sol(neste caso o livro de Dan Gibson) com a peneira, dizendo que isso não influencia em nada a questão teológica do Islã, mas a verdade é outra. Como o livro de Dan Gibson praticamente revela a falta de veracidade dos relatos islâmicos a luz dos próprios relatos do Alcorão, podemos ver aqui que tudo não se tratava de pura política suja. A dinastia Umayyad cuja sede ficava em Damasco foi quem construiu Meca, bem longe das rotas comerciais com o objetivo de controlar como um todo a região dos desertos da Arábia.

O islamismo nascendo em Petra quebraria o poder diabólico centrado na Arábia Saudita, devolvendo-os realmente aos descendentes de Ismael, os Nabateus. Se este argumento fizesse cair o centro teológico da fé islâmica, toda fé islâmica cairá. Mas obviamente os islamistas jamais agirão com sã consciência reconhecendo que servem uma religião que foi feita somente para aprisioná-los na escravidão de ditaduras religiosas de origem pagã.

 

 

Banner Camisetas Cafetorah
1 responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *