O Palácio e Jardim Real em Ramat Rachel, Jerusalém

Com as escavações em Ramat Rachel, na área metropolitana de Jerusalém, no sul da cidade, abrangendo vários períodos históricos. O que se presume é ser um palácio real - que certamente tem uma arquitectura para pessoas extremamente importantes, como os distintos capitéis proto-Aeolic, além de uma série do jarros com alças especiais - parece ter sido a peça central de uma grande propriedade que surgiu no tempo de Ezequias e continuou em uso até o período dos Hasmoneus. Sabe-se também ter incluído extensos jardins ornamentais, uma vez que o terraço(agricultura de suspensão) e tine um sistema que recolhia a água para irrigação, algo que foi documentado ao longo dos últimos anos.

O foco do presente artigo publicado no Jornal Haaretz, contudo, é sobre as espécies particulares que estavam sendo cultivadas aqui no período persa, depois que os judeus exilados voltaram do cativeiro na Babilônia. Um deles, ao que parece, foi o cultivo do etrog, uma fruta cítrica, que pode ter sido trazida para cá da Pérsia, dois outros foram cultivado, a murta e o salgueiro(Hadas) - tudo muito valorizado pois são pertencentes as "quatro espécies" que figura na festa judaica de Sucot, a Festa dos Tabernáculos. De qualquer forma, a escavação em Ramat Rachel tem documentado o mais conhecido cultivo dessas plantas de forma particular no país.

Grãos de pólen, espécies desconhecidas.

De grande interesse aqui, pelo menos para mim, é o trabalho de detetive que em descobrir este último aspecto do sitio na antiguidade. Os arqueólogos tiveram a ideia de investigar o gesso nas paredes, dos terraço e os sinais de pólen. Se você sempre pensou em pólen - as coisas que as abelhas carregam em suas pernas, para o benefício do reino vegetal inteiramente - como algo delicado e efémero, pense novamente! Na realidade, é rígido e duro como pregos! Mais duro, realmente, desde que os pregos de ferro na maioria dos casos se enferrujem e se desintegram rapidamente. Os grãos de pólen, por outro lado, são praticamente indestrutível, mesmo ao longo do tempo arqueológico, de modo que estes traços microscópicos de vida botânica são capazes de ser isolados e analisados.

Além de serem muito belas estruturas e bem pequenas, elas oferecem - entre uma série de informações, outros potenciais - uma muito específica "impressão digital" do tipo de culturas que foram predominantes em um determinado lugar (e tempo, se, como aqui, eles são encontrados em uma datável contexto), e até prova direta (a partir de uma pista, por exemplo) do que as pessoas estavam comendo! Bastante surpreendente.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *