Siquém – Tel Balata em Nablus, a cidade bíblica de Siquém

Top Banner eTeacher

Siquém - Tel Balata está localizado na Cisjordânia, hoje, considerada parte do território controlado pelos palestinos. Esta cidade cananéia e posteriormente israelita, esteve no controle dos Hebreus por cerca de 10 séculos, entre o século XIII A.C e o século II A.C.

O nome moderno de Tel Balata indicam o local das ruínas da cidade canaanita / israelita, na área construída de Balata, uma aldeia árabe no subúrbio de Nablus, e cobre cerca de um terço da colina das ruínas(Tel), e tem vista para uma extensa ampla planície a leste. Na Bíblia, esta planície teria sido o campo comprado por Jacó. Não muito distante estão o túmulo de José e o Poço de Jacó.

O site é listado pela UNESCO como parte do Inventário dos Patrimônios Culturais e Patrimoniais Patrimoniais com Potencial Valor Universal Excepcional nos Territórios Palestinos. Os especialistas estimam que as torres e os edifícios no local datam de até 5.000 anos atrás, os períodos período calcolítico e período de Bronze.

Tradicionalmente, o site foi associado com a cidade samaritana bíblica de Siquém, citada por Josefo, como tendo sido destruída por João Ircano I, com base em evidências circunstanciadas, como sua localização e evidência preliminar de habituação durante o final do Bronze e as idades iniciais do ferro, o período israelita. Tel Balata fica em pouca distância entre o Monte Gerizim e o Monte Ebal, o local que se encaixa bem com a descrição geográfica fornecida para Siquém na Bíblia.

Túmulo de José junto a Siquém no século XIX

Túmulo de José junto a Siquém no século XIX

Nenhuma evidência de inscrição para apoiar esta conclusão foi encontrada nas ruínas, mas pelo que tudo indica, elas são as ruínas de Siquém. Outras ruínas também foram identificadas como a possível Siquém bíblica, por exemplo, os lugares de Y. Magen localizam aquela cidade próxima, no monte Gerizim, em um local que abrange uma área de 30 hectares.

O local foi primeiramente escavado por uma equipe alemã liderada por Ernest Sellin de 1913 a 1914. Após o fim da Primeira Guerra Mundial, o trabalho de Sellin foi retomado em 1926 e durou até 1934 com as últimas temporadas lideradas por G. Welter.

As escavações foram realizadas no Tel Balata pelas Escolas Americanas de Pesquisa Oriental, Universidade Drew e no Seminário Teológico McCormick em 8 temporadas entre 1956 e 1964, quando a Cisjordânia estava sob o domínio da Jordânia. Arqueólogos que participaram desta expedição incluíram Paul e Nancy Lapp, Albert Glock, Lawrence Toombs, Edward Campbell, Robert Bull, Joe Seeger e William G. Dever, entre outros. Novas escavações deverão ser iniciadas por arqueólogos palestinos, juntamente com estudantes da Universidade de Leiden, nos Países Baixos, como parte de um esforço conjunto financiado pelo governo holandês. Infelizmente, isto poderá representar o fim de pesquisas sérias em Tel Balata, pois os palestinos tendem a distorcer toda pesquisa científica em prol de sua agenda política.

Acima, Siquém - Nablus, entre o Monte Gerizim e o Monte Ebal - Foto: Miguel Nicolaevsky

Acima, Siquém - Nablus, entre o Monte Gerizim e o Monte Ebal - Foto: Miguel Nicolaevsky

Um relatório final publicado em 2002 sobre a evidência estratigráfica e arquitetônica em Tel Balata indica que houve uma quebra na ocupação entre o final da Idade do Bronze Final, cerca de 1150 AC, o que condiz com a destruição e a conquista da cidade por parte dos Hebreus. Este abandono durou até o início da Idade do Ferro II, 975 AC, período davídico, pois os Hebreus não se assentavam nas ruínas, muitos ficaram morando em tendas e cabanas por mais de 1 século, conservando os hábitos nômades.

Um pequeno altar quadrangular foi descoberto em Tel Balata, semelhante aos encontrados em outros locais da Idade do Ferro, como Tel Arad e Tel Dan, pode ter sido usado para queimar incenso. Ele condiz exatamente com a descrição dos altares israelitas descritos na Bíblia.

Siquem em 17 de Abril de 1838, David Roberts

Siquem em 17 de Abril de 1838, David Roberts

Uma das moedas mais antigas descobertas na região foi uma moeda grega-macedônia, datada de cerca de 500 AC, encontrada em Tel Balata.

Há evidências de que o local foi ocupado no período helenístico até o final do século II AC. Quando a cidade foi destruída por João Ircano I, um dos Reis Sacerdotais da Família dos Asmoneus. A História deles está descrita nos livros dos Macabeus. Esta cidade da era helenística, e foi fundada no final do século IV AC e se estendeu por uma área de 6 hectares.

A estrutura construída mostra evidências de dano considerável datado dos anos 190 AC e atribuído ao conflito entre Israel e Antíoco III. A habitação no local continuou até a destruição final da cidade neste local no final do século II AC.

Infelizmente, a Siquém bíblica está localizada no coração da cidade palestina de Nablus, uma das mais violentas. Não muito distante do "campo de refugiados palestinos Tel Abalata", a escavação por arqueólogos sérios de Israel é praticamente impossível. Nosso desejo é poder publicar aqui, mais adiante, mais descobertas e detalhes desta cidade bíblica.

Banner Camisetas Cafetorah
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *