TEL MARESHA – Programa a Bíblia Viva

Tel Maresha é uma cidade bíblica incrível e que aparece pela primeira vez na lista de cidades na Judéia no livro de Josué 15:44

Queila, Aczibe e Maressa; nove cidades e as suas aldeias.

Tel Maresha aparece mais uma vez em I Crônicas 4:21

Os filhos de Selá, filho de Judá: Er, pai de Leca, Lada, pai de Maressa, e as famílias da casa dos que fabricavam linho, em Bete-asbéia;

Depois Tel Maresha disso aparece novamente em II Crônicas. 11:8; 14:9; 20:37

E Zerá, o etíope, saiu contra eles, com um exército de um milhão de homens, e trezentos carros, e chegou até Maressa.

A cidade judaica prosperou até as conquistas de Senaqueribe na Judeia quando ele arrasou diversas cidades, entre elas Azeca e Tel Maresha, nunca mais voltando ao que era antes.

A maior parte dos o solo é calcário, mas relativamente resistente à erosão das rochas e é ideal para as cavernas. A muito tempo atrás as pessoas começaram a escavar cavernas na região Beit Guvrin, que eles usavam como pedreiras e cemitérios, armazéns e oficinas, esconderijos e espaços para a criação de pombas.

O gesso é geralmente coberto por uma camada de Nari, uma rocha mais resistente, que pode ser de até dois metros de espessura. Em geral, as cavernas têm uma estreita abertura na Nari e abaixo é mais ampla e mais vasta no gesso.

Abaixo, entrada para a casa o oleiro onde existem prensas de azeite da antiguidade que foram restauradas para o público ver como era o processo industrial na antiguidade.

Centenas de cavernas foram escavadas na área, algumas das quais constituem um enorme e surpreendentemente complexo de labirinto subterrâneo. Tel Maresha (Marissa) fica na parte mais alta do parque nacional. Este foi o local escolhido para a cidade fortificada na Judéia pelo Rei após Reoboão até a campanha do faraó egípcio Shishak: “E habitou em Reoboão Jerusalém, e construíram cidades de Judá e de defesa em Gath, e Mareshah, e Ziph “(Segunda Crônicas 11:5, 8).

A cidade entrou no Helenismo durante o período do terceiro para segundo A.C. Durante o período dos Macabeus, Yohanan Hyrcanus capturou a cidade e seus moradores forçando-os a converter-se ao Judaísmo. Na época romana, os moradores abandonaram Tel Maresha e se estabeleceram na cidade vizinha de Beit Guvrin, que se tornou a capital do Idumeia Ocidental.

O Grande Columbário

O Grande Columbario é uma das mais impressionantes descobertas alí, nele podiam ser criadas mais de duas mil pombas, que eram utilizadas tanto para alimentação como para culto como oferta ao Senhor.

Ao lado uma das principais cavernas columbarias, utilizada como armazém, local de criação de pombas para alimento e culto.

Além da construção impressionante, o visitante pode observar alí os efeitos da luz do sol penetrando em uma região com diferentes camadas geológicas, uma verdadeira preciosidade.

Apesar de Beith Guvrin e Tel Morasha serem muito antigas, antes da era cristã, nas cavernas foram encontradas inscrições em arabe e sinais de cruz, demosntrando que estas foram escavadas bem mais tarde, entre o século VII e VIII da era cristã.

Cavernas em forma de sinos

As cavernas que não são naturais, são simplismente impressionantes, na região existem mais de 80 e podem ser visitadas passando de uma para outra.

A técnica consistia em abrir um pequeno poço na rocha até chegar em sua camada mais suave, o que permitia a escavação em seu interior retirando o calcário. As maiores chegam até 15 metros de profundidade e o visitante ainda pode ver parte das aberturas que foram feitas ao serem construídas.

 

Uma série de 80 grandes cavernas ligadas por corredores. O limites máximos das maiores cavernas são quinze metros de altura. Porque as cavernas têm entradas estreitas na rocha Nari e tornar-se mais ampla, gesso suave abaixo, eles são em forma de sino. Inscrições dos cruzados e em árabe foram encontradas nas paredes da caverna apontando para o fato de a maioria das cavernas foram escavadas durante o período Arábica Precoce (sétimo ao décimo séculos A.C.).

Saint Anne’s Church

As ruínas de um colossal templo chamado pelos cruzados de Saint Anne.

Enterro em Cavernas Sidônicas

Período do Helenismo (terceiro para segundo séculos A.C.) enterro em grutas ao pé de Tel Marasha. Os afrescos sobre a caverna e as muralhas foram restauradas para dar aos visitantes uma noção da sua antiga glória.
Os visitantes também devem conhecer a rede de cisternas; prensas de azeite restauradas, o que ilustra o processo de fabricação de azeite; o columbário caverna (pombal), e do anfiteatro romano na cidade vizinha Beit Guvrin.

eTeacher Banner Central
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *